sábado, 26 de dezembro de 2015

Batata, Plantas que curam



Muitas pessoas nervosas sofrem hoje em dia de distúrbios do estômago e do intestino que, mais cedo ou mais tarde, podem se transformar em úlcera, lesão no duodeno ou prisão de ventre. Eis aqui um remédio caseiro muito eficiente: o suco de batata crua. 
No fim da 1ª Guerra Mundial, quando soldados de muitos países da Europa estavam nas trincheiras, despontou um novo inimigo: a fome. Parte do exército alemão teve que se alimentar quase que exclusivamente de batatas cruas desenterradas nos campos. Observou-se que soldados que sofriam dos mais diversos problemas do estômago ficaram totalmente curados. As dores desapareceram e, apesar da fome, esses soldados se sentiam bem. 
Médicos que analisaram esse fenômeno comprovaram o efeito extremamente positivo do suco de batata crua em diversos problemas do estômago, provocados por excesso de acidez. Quase 90% dos pacientes melhoravam a partir do 2º dia de tratamento e, após oito ou dez dias, não apresentavam mais qualquer queixa. 
Pelas propriedades farmacológicas, supõe-se que a solanina da batata (alcalóide venenoso próprio de diversas solanáceas) age como inibidor da secreção. Além disso, seu alto teor de amido, elementos viscosos e sais, protegem a mucosa do estômago. A vitamina C presente na batata crua é importante no tratamento porque inibe as infecções. 
Em caso de acidez excessiva e de úlceras, o suco de batata crua deve ser tomado diariamente, antes das refeições, por um período de três semanas. Recomenda-se começar com 50 ml por refeição e aumentar a dose lentamente até 100 ml. Após um período de 48 horas, podemos constatar uma melhora do estado geral. Azia, enjôo, vômitos e arrotos desaparecem. Após 15 dias de tratamento, o teor de acidez do suco gástrico se normaliza. 
Para obter o suco, ralamos a batata descascada e esprememos num pano. Este processo, um tanto trabalhoso, pode ser evitado com o uso de uma centrífuga.

Os europeus gostaram muito do aspecto decorativo das flores da batateira mas os tubérculos foram olhados com desconfiança, servindo, durante quase um século, apenas para a alimentação do gado. Depois houve uma daquelas fomes cíclicas e as pessoas, a medo, começaram a comer batatas. Nessa evolução parece ter sido determinante o papel de Parmentier, cientista ilustre da corte de Luís XVI.

            Atualmente conhecem-se mais de três mil variedades de batata e a produção anual já ultrapassa 300 milhões de toneladas. Só a China produz 23% do total mundial (números de 2005).

            O sucesso tem a ver com a grande versatilidade deste alimento, verdadeiro “pão dos pobres”, rico em amido (fécula), vitaminas e sais minerais, com o potássio à cabeça (de 250 a 500 mg por cada 100 g). A Macrobiótica Zen abomina a batata por ser altamente desequilibrada em termos de yin-yang. Tal filosofia prescreve que proporção química ideal dos alimentos é de 5 partes de sódio para 1 de potássio. Ora, a batata subverte o princípio, pois possui, mais ou menos, uma parte de sódio para 12 de potássio. Isso não invalidou que os orientais não se lançassem maciçamente no cultivo deste tubérculo.
 
            Que o consumo da batata engorda é um preconceito infundado. A batata sozinha não favorece a obesidade, salvo se forem consumidas em grande quantidade, como complemento de alimentos ricos em albumina. O que engorda são as más combinações com outros alimentos. Nesse sentido, as batatas fritas é o expoente negativo, a evitar drasticamente em alimentação racional. Os escoceses são conhecidos como homens bastantes magros e, contudo, as batatas constituem o seu principal alimento. Também o alemão do Norte é mais afeiçoado às batatas do que o alemão do Sul, e não se pode dizer que seja precisamente mais gordo e pesado de movimentos do que este.

            Se não quer engordar, evite batatas fritas, optando por batatas cozidas ou assadas com pele.

             A melhor maneira de consumir a batata é através da cozedura a vapor, ou assada. Deve ser comida com casca, dado que é na pele e na periferia do tubérculo que se encontram os sais minerais e as vitaminas. Contudo, a fervura faz com que perca uma boa parte das vitaminas, pelo que há quem recomende ralá-la em cru, misturando-a, a seguir, nas sopas.    
  
            As batatas verdes e as greladas contêm os alcalóides choconina e solanina, que podem ser muito tóxicos se ingeridos em quantidades elevadas. Qualquer batata com manchas verdes deve ser deitada fora. Convém extirpar sempre as partes verdes e os “olhos”, ou seja, os pontos onde irão brotar os grelos, porque é aí que se concentra a solanina. A solanina, mesmo em pequenas porções, pode provocar enxaquecas ou sonolência em pessoas sensíveis.

            Sob o ponto de vista da fitoterapia, assinala-se que a batata cozida é dos melhores remédios para combater a acidez estomacal, dado que alcaliniza o organismo. Outrossim, no que se refere ao ácido úrico e a todas as formas de artritismo. Comida crua, evita o escorbuto, afasta os parasitas intestinais e cura as úlceras do estômago. A água da cozedura da batata é boa para as queimaduras da pele, gretas e furúnculos. Cataplasmas de batata crua, ou simplesmente cortada às rodelas, aliviam extraordinariamente as dores de cabeça e enxaquecas e diminuem os inchaços. Finalmente, o suco cru está indicado para gastrites, úlceras gástricas e duodenais, dispepsias, litíase biliar e prisão do ventre.
 
            As batatas têm várias aplicações medicinais.
            As batatas têm um alto teor de hidratos de carbono e ainda proteínas e fibras. Também fornecem uma parte significativa da quantidade de vitamina C e de potássio de que necessitamos.

            Usada crua, tem aplicação para combater dores de cabeça (colocadas em rodelas sobre a testa) e contra irritações da pele. A batata é bastante indicada para quem sofre de doenças renais. Para eritemas ou queimaduras solares, se faz uma compressa com batata ralada que é trocada três vezes ao dia.

            O suco feito com batata é excelente remédio para úlceras do estômago e do duodeno, desde que tomado em pequenas doses, pois o seu uso exagerado pode provocar sintomas de intoxicação. A água do cozimento da batata serve para prevenir e combater a gota.

            Contudo, o teor de vitamina C começa a baixar quase logo a seguir à colheita, pelo que as batatas acabadas de apanhar são as mais ricas nessa vitamina. A vitamina C é hidrossolúvel, razão por que as batatas fritas ou assadas são as que melhor a conservam. A cozedura em água provoca perdas de nutrientes, que se dissolvem na água, e a batata em puré é a que contém menos vitamina C. A perda de vitamina também ocorre através das superfícies expostas ao ar, pelo que, quanto mais cortadas são as batatas, menor será o seu teor vitamínico.

2 comentários:

  1. quero saber se a batata faz mal ou faz surgir diabete

    ResponderExcluir
  2. lendo o artigo, você perceberá que a batata é um alimento rico em hidratos de carbono, por consequência em excessos engorda, mas nosso organismo em quantidade moderadas precisam dos mesmos, são fontes de energia, agora se você for diabetica, deve consumir com muita moderação, pois o carbono no organismo transforma em açucar, e pode elevar os niveis de glicose, mas o ideal é sempre consultar seu médico ou nutricionista.

    abraços

    ResponderExcluir