domingo, 3 de julho de 2016

HortalIças Orgânicas: Pimentão (Capsicum annuum)



A maioria das cultivares em uso por pelos produtores orgânicos de pimentão foram desenvolvidas para sistemas convencionais de produção. Desta forma é necessário encontrar alternativas para o cultivo orgânico, mesmo entre aquelas que não são de uso comercial. Estão sendo realizados ensaios exploratórios com cultivares da coleção de germoplasma de pimentão da Embrapa Hortaliças e híbridos comerciais com intuito de avaliar e resgatar os materiais com melhor adaptação ao cultivo orgânico. Entre maio de 2005 e abril de 2006 foram realizados ensaios com as 25 cultivares listadas a seguir: Tico, Margareth, Agronômico 10G, Fiuco, Bell Boy, Keystone, All Big, Magda, Magna Super, Ambato e os híbridos Ruby e Magali-R, Avelar, Agro Sul Gigante, Margareth, Italiano, Casca Dura Ikeda, Casca Dura Gigante, Vyuco, Califórnia Wonder, Margareth Selecionado, Bruyo, Herpa, Fry King, Marconi, Apolo, Hércules, PCR e I 16. Pode-se observar que cultivares fora de uso comercial como Italiano, I-16, Fry King e Agrosul Gigante, Ambato, All Big e Magna Super juntamente com os híbridos Ruby e Magali-R mostrarm grande potencial para cultivo em sistemas orgânicos. A partir de 2008 às cultivares foram avaliadas na época chuvosa e seca. Na época chuvosa/verão, os híbridos Rubia e Maxinmus são recomendados por ter apresentado peso médio de frutos e produtividade comercial maior. Na época seca/inverno, o híbrido Magali-R éo mais indicado por ter apresentado produtividade total comercial maior que os demais. Para produtores orgânicos que optam pelo uso de cultivares OP, Ambato e Tico na época de verão/chuvoso e Italiano e Tico no inverno/seco são indicados pelo número, peso e produção expressiva de frutos comerciais.

Adubação de plantio: a adubação deve ser feita com base na análise do solo e do adubo orgânico. Se necessário, recomenda-se Composto 1,0 kg/cova + Bokashi 20gr/m2+ fosfato natural50gr/cova (fósforo) aplicado com antecedência e cinzas de madeira 100gr/cova (potássio).

As variedades de pimentão mais cultivadas pertencem a dois grupos: o grupo cascadura, com formato semi-cônico, ligeiramente alongado e coloração verde-escura; e o grupo quadrado, com frutos cilíndricos, com comprimento quase igual ao diâmetro.
Os materiais genéticos que têm apresentado melhor padrão de frutos em sistema orgânico, apesar de sua elevada exigência em nutrientes, são os híbridos, especialmente o ‘Magali’ e o ‘Magali R’.
O pimentão é uma hortaliça típica de clima tropical, exigindo temperaturas noturnas e diurnas mais elevadas que o tomate. As temperaturas mais favoráveis para o desenvolvimento da cultura variam com a fase da planta.
A época de plantio depende do clima da região. Em regiões baixas, com altitude menor que 400 metros, e de inverno ameno, pode ser semeado o ano todo. Mas, nessas regiões, a semeadura de fevereiro a abril propicia melhores condições para a cultura e a colheita se dá na época de melhores preços.
Em locais muito quentes, é melhor cultivar o pimentão no outono-inverno. Em regiões altas e mais frias, acima de 800 metros de altitude, a época de plantio vai de agosto a fevereiro; assim, o cultivo se dá na primavera e no verão. Também nessas regiões, uma boa alternativa é o cultivo do pimentão em estufa. Assim, é possível ter o produto na entressafra, o que traz maiores lucros para o produtor.
Formação das mudas
O semeio deve ser realizado em copos plásticos de 200 cc, com duas sementes/copo, desbastando-se após a germinação, mantendo-se apenas uma muda. Empregando-se substratos orgânicos mais ricos, ou substratos comerciais, estas mudas podem também ser formadas em bandejas.
Também, é recomendável que as mudas sejam feitas dentro de uma estrutura fechada. Elas estarão prontas para serem transplantadas quando estiverem entre 10 e 15 centímetros de altura e entre 6 e 8 folhas definitivas. Por apresentar desenvolvimento mais lento que o tomate, as mudas são transplantadas entre 30 e 45 dias após a semeadura.
Preparo do solo e adubação
O preparo mecânico do solo pode ser dispensado, caso o local não tenha excesso de ervas espontâneas ou se tiver recebido adubação verde. Assim, pode-se proceder a abertura e a adubação das covas diretamente.
O pimentão é uma planta bastante exigente em nutrientes, devendo receber adubações orgânicas de boa qualidade. Deve-se utilizar composto orgânico, na base de 1,0 kg por cova no plantio (peso seco). Passados 30 dias, recomenda-se uma adubação em cobertura com 500g de composto por planta, diluído em água na proporção de 1:2 e aplicado de forma localizada, com regador sem crivo, ao redor das plantas.
O nitrogênio e o potássio são fundamentais para um bom desenvolvimento das plantas e uma boa formação de frutos. Portanto, se possível, a adubação em cobertura com composto pode ser substituída por outros resíduos ricos nesses nutrientes (preferencialmente na forma líquida – biofertilizantes), como torta de mamona, esterco de galinha de gaiola e cinza de madeira.


Nenhum comentário:

Postar um comentário